terça-feira, 28 de abril de 2009

Fatores que fazem um estudante campeão

A nova geração de estudantes é bem peculiar. Ora estão vidrados em video games, ora se apaixonam por livros do momento. Alguns pais acham isso “um horror”, que os jogos atrapalham a vida escolar e este tipo de leitura só os fará perder tempo, ao invés de se interessarem por “literatura de verdade”.

Engano. Puro engano. Nada mais desmotivador do que as palavras acima. Claro, partimos para a máxima “Nem 8, nem 80” – ou seja, equilíbrio é a fórmula correta. E este deve partir primeiramente dos responsáveis. Os video games podem, sim, ser um atentado à saúde mental (e algumas vezes até física) do jovem, mas apenas se ele não for devidamente alertado sobre seus malefícios e, porque não dizer, benefícios.

*Acho que ficou bem pequena, mas você pode clicar para ver a imagem em tamanho maior.

Curiosidade: é interessante dizer que aumenta o número de idosos que passam parte de seu dia em frente aos games devido, justamente, à “ajuda” que eles dão às pessoas mais velhas, que já não têm seu físico tão forte e ágil para praticar esportes.

Quanto aos livros, continua valendo a supervisão dos responsáveis. Contanto que a obra esteja indicada para a faixa etária do jovem, a leitura é válida, pois incentiva a busca por outros materiais, como outros livros, jornais, revistas e até textos na Internet.

Voltando a nossa fórmula, é preciso lembrar aos alunos que, além desses estímulos, também é necessário que as atividades mais tradicionais não sejam deixadas de lado, como as tarefas de casa. Essas ajudam a reforçar a matéria vista na escola, auxiliando na fixação do conteúdo e abrindo espaço para questionamentos que no momento da explanação do professor não foram absorvidos.

Além disso, o tempo reservado em casa, num local adequado – iluminado, arejado, com móveis adequados ao tamanho do estudante, sem barulhos que possam distrair sua atenção –, é de extrema importância para desenvolvimento do hábito e prazer de estudar. A participação da família neste momento também ajuda, pois dá a sensação de segurança e apoio ao jovem, deixando-o menos ansioso com relação ao dever.

Assim, a obrigação (ênfase na palavra “dever” de casa) deixa de ser vista como imposição e passa a ser hábito.

Para conciliar jogos, leitura e tarefa de casa é necessária organização. A divisão de horário deve ser feita de maneira que não cause estresse ao jovem. Geralmente, os pais ainda os colocam em várias atividades extracurriculares com medo dos filhos ficarem com muito tempo ocioso e, devido ao grande turbilhão de oferta de diversão/distração (nem sempre saudáveis), acabarem se envolvendo em situações de risco, como o uso de drogas e violência. Dessa forma, faz-se imprescindível “estudar” até que ponto estas aulas valem a pena, quais tornam-se formas de aliviar a ansiedade do estudante, tanto em relação à vida pessoal como – e principalmente – escolar.

Atividades consomem muita energia, então é preciso lembrar da alimentação. Para os estudantes menores, entre 6 e 12 anos, “a alimentação da criança pode e deve adequar-se a alimentação dos adultos de sua casa” (Adriana Maria, www.saudenainternet.com.br).

Deve-se dar extrema importância ao fato da criança estar em pleno desenvolvimento e que para isso uma dose suficiente de proteínas, vitaminas e minerais, entre eles o ferro e o cálcio, será essencial para o seu crescimento e desenvolvimento perfeito. (Adriana Maria, www.saudenainternet.com.br).

Já para os adolescentes, as dicas vêm do site de alimentação e nutrição www.alimentacaosaudavel.org. Eles devem ingerir:
● Muitos amidos, como pão, massa, arroz, batata, cuscuz e cereais.
● Muitas frutas e legumes – pelo menos cinco doses por dia.
● Bastantes produtos lácteos, como leite, iogurtes e queijos.
● Quantidade suficiente de proteínas de carne, peixe e ovos.
● Poucos doces e gorduras.
● Pelo menos 8 copos de água por dia.
● Fazer exercício em bases regulares, de modo a manter uma boa forma física, a saúde cardiovascular e o desenvolvimento dos ossos.

Depois de um dia cheio, é hora do descanso merecido, que também vai ajudar a recarregar as baterias e começar com a energia renovada a próximo jornada. Entretanto, muitas pessoas, inclusive estudantes, sofrem com o anoitecer. A hora de dormir acaba virando mais uma tarefa.

O Laboratório do Sono do Hospital Português, na Bahia, traçou 10 pontos necessários para uma boa noite de sono:
1. Estabelecer horário regular para dormir e despertar.
2. Ir para a cama somente na hora dormir.
3. Manter ambiente saudável.
4. Não fazer uso de álcool próximo ao horário de dormir.
5. Não fazer uso de medicamentos para dormir sem orientação médica.
6. Não exagerar em café, chá e refrigerante.
7. Realizar atividade física em horários adequados e nunca próximo a hora de dormir.
8. Jantar moderadamente em horário regular e adequado.
9. Não levar problemas para a cama.
10. Realizar atividades repousantes e relaxantes após o jantar.
Fonte: www.hportugues.com.br

Caso esses passos sejam seguidos e ainda assim o sono demorar a chegar, o acompanhamento médico é fundamental.

Assim, acabamos de conhecer alguns aspectos que auxiliam o estudante a tornar-se um campeão – não só para passar no vestibular, mas também tenha prazer em estudar; saiba qual profissão deseja seguir. Diversão, alimentação, boa noite de sono, tarefa de casa e, principalmente, um bom relacionamento familiar são pontos fundamentais nesta jornada em busca ao sucesso.

Priscila Conte. Texto publicado no livro Educação 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário